Seminários: “Spirituality and Health Research: Methods, Measurements, Statistics, and Resources”.

Seminários sobre metodologia da pesquisa cientifica em espiritualidade / religiosidade e foi inspirado na publicação do pesquisador Harold Koenig intitulada “Spirituality and Health Research: Methods, Measurements, Statistics, and Resources” publicada pela Editora Templeton Press em 2012.

Apresentação 1

Evidências em pesquisas envolvendo saúde, espiritualidade e religiosidade

Aproximadamente 90% da população mundial está envolvida em alguma prática espiritual / religiosa, portanto este campo de estudos desempenha papel relevante na saúde do ser humano.
Crenças, práticas e experiências espirituais / religiosas podem influenciar nas decisões que envolvem os processos individuais de saúde / doença. O envolvimento espiritual / religioso está associado a melhores desfechos de saúde, assim sendo, é importante conhecer os mecanismos envolvidos nestas relações.

Apresentação 2

Desafios, Forças e Fraquezas das Pesquisas em Religiosidade, Espiritualidade e Saúde

Harold Koenig nos traz que as pesquisas publicadas sobre Religiosidade/Espiritualidade (R/E) e Saúde possuem inúmeros pontos fortes, tais como: grande número de estudos; diferentes desenhos de pesquisa; períodos longos de observação; grande número de amostras randômicas; grupos diferentes de população; diferentes localizações geográficas; diferentes grupos investigativos; entre outros.
Na sua opinião os pontos fracos precisam de correção para se chegar a um quadro mais preciso de como a R/E pode afetar a saúde. Há muitos desafios que influenciam o crescimento dessas pesquisas, como a falta de fundos e a falta de pesquisadores treinados nessa área.
Finaliza destacando que, os pontos fortes devem encorajar estudos futuros, os fracos devem representar oportunidades, as críticas devem provocar confrontações e os desafios devem produzir determinação.

Apresentação 3

Desenhos de projetos de pesquisa em saúde, espiritualidade e religiosidade

Nesta aula veremos sobre os principais desenhos de pesquisa, suas características e destinações.
O que devemos levar em conta ao desenhar um estudo:

  • a importância da pergunta da pesquisa
  • a questão da inferência causal
  • a disponibilidade de recursos (tempo, finanças, orientadores, sujeitos)
    Há 2 tipos de estudos: os observacionais e os experimentais
  1. Estudos observacionais: transversais e longitudinais
    • Qualitativos (Fenomenológicos, Grounded theory, etnográficos, históricos e de análise de discurso)
    • Quantitativos (transversais controle e clássicos; longitudinais cohort prospectivos e retrospectivos)
  2. Estudos experimentais
    • Sem grupo controle
    • Com grupo controle – ensaios clínicos randomizados

Apresentada por Maria Cristina Barros.

Apresentação 4

Amostra, escrita e publicação em pesquisas envolvendo saúde, espiritualidade e religiosidade

Nesta palestra, o Prof. Dr. Mário Peres apresenta tópicos de metodologia de estudo essenciais para um bom planejamento de projeto de pesquisa, destacando a importância do estudo resultar em artigo, com intuito de expandir a divulgação da evidência científica de modo expressivo, comunicando tanto a população quanto o meio acadêmico.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *